01/07/2019

MARTA PERES ESCREVE: O jeito mineiro de ser

Como é bom andar por Minas Gerais!

Ah, naqueles tempos!

Um bom passeio de trem ou de jardineira pelo sertão mineiro. O cheiro da mata, sua beleza sem igual, a passarinhada, os rios caudalosos  ou lentos, não tem beleza que se iguale.

Nas casas, belos casarios antigos tinham a cozinha bem lá no final da casa. Entrando sentia-se o cheiro vindo lá do fundo, da cozinha, era o pão de queijo no forno, o café, delicioso fumegando na fornalha, o doce do fruto do marmelo, banana, goiaba, queijada, leite ou outro.

Ah, naqueles tempos, como era bom passear lá no Carmo do Paranaíba, Rio Paranaíba, Guimarânia, Serra do Salitre, Coromandel, Monte Carmelo, Abadia dos Dourados, Patos de Minas, Perdizes, Irai de Minas, Estrela do Sul,  sua gente amorosa, hospitaleira, a cidade alegre e feliz.

As casas em Minas Gerais, lá no fundo era a melhor parte da casa, mais íntimo, mais aconchegante, principalmente se o cheiro vindo de lá era de Pé de Moleque, a cocada, feijão tropeiro, a linguiça defumada na fumaça, do frango caipira refogado com açafrão.

A água do pote tão fria!  Uma horta farta de frutos e flores.

O jasmim num dos cantos, os manacás, as laranjeiras, jabuticabeiras, como são verdinhas as hortaliças!  Bastava ir apanha chuchus, quiabos, jilós, abobrinhas, a couve, salsinha, cebolinhas, hortelã para colocar no leite nas noites mais frias, as folhas de laranja para o chá.

Tem lugar melhor que a cozinha dentro de uma casa? Em Minas, a melhor parte da casa é realmente na cozinha. Pela manhã o café com leite e pão com manteiga ou biscoito frito e depois a meninada vai para a escola e os pais vão trabalhar.

Depois, o almoço com todos ao redor da mesa, o café da tarde, com as mais deliciosas boas e bolo de fubá, o jantar, uma sopa mais leve,  antes de dormir um mingau de fubá. Quer coisa melhor? Mineiro sabe aproveitar as delícias de sua cozinha.

Naquele tempo as casas tinham fogão de lenha e a lenha crepitava na fornalha. Na época do frio era maravilhoso ficar na cozinha perto do fogão.

Lembro-me das chamas na cor vermelha, o barulho do fogo crepitando e os olhos cravados  nas chamas sonhavam com o namorado, príncipe encantado que algum dia chegaria, como era delicioso aquele bolo de milho, de chocolate, o pão de mel.

Minas tem cheiro de felicidade, as trilhas, as montanhas, o céu azul anil,  o pisar nos gravetos e ouvir aquele trinar da passarinhada.

É mesmo renascer  visitar Belo Horizonte, a maior roça mineira que existe. Suas praças, sua gente, o jeito de viver desse povo mineiro, maravilhoso e cheio de sonhos.

Esse jeito de buscar aliados, buscar amigos – todos sentados em volta de uma grande mesa, o jantar ou almoço numa boa prosa rumo a entendimentos necessários.  É sempre uma festa e nos faz sentir tranquilos com esta maravilha que se chama ser mineiro.

Ainda bem que sou mineira!

Marta Peres