02/12/2019

MARTA PERES ESCREVE | Onde é que tudo isto vai parar?

Problemas na vida da gente e no mundo não faltam. Se não existe nenhum no momento fabricar algum basta um estalar de dedos. São tantos os fatos negativos que superam os positivos e num distanciamento gigantesco.

As pessoas andam insatisfeitas e esta insatisfação agiganta-se, ultrapassa a todos os limites.

E é insatisfação com a política e políticos, com a falta de empregos, com as ruas onde o asfalto está danificado, é com enchentes por conta das chuvas, com as ruas sujas e feias, com o preço da carne, dos ovos, a cesta básica, o pão congelado e assado nas padarias, que tão logo sai já fica seco e duro.

Quantas pessoas estão doentes e sofrendo pela falta do emprego! Quantos aposentados vivendo com o mísero salário mínimo – que de tão mínimo mal dá para algumas poucas despesas. O povo anda vivendo mesmo por Milagre Do Divino.

Como podem ter satisfação sem qualidade de vida?

O sofrimento e a dor estão grandes entre as pessoas mais idosas. Essa insatisfação também está entre a juventude e as pessoas maduras. A vida de muitos vai de mal a pior. E como vender fiado para eles? E como cobrar alguma dívida contraída por algum deles? Tomar dinheiro de desempregado é covardia, ou não?

É preciso estimular o emprego e isto deve vir de cima para baixo. Espera-se que Brasília tome as providências devidas – depois os estados e por fim os municípios. Não dá para ir fazendo vaquinha para ajudar aos necessitados, pois são em número grande.

Falando também na saúde – ela vai bem por ai? Por aqui está capenga. É preciso de um programa de saúde feita por quem entende de saúde, técnico em todos os seus ambientes são mais salutares. Desde que ele tenha liberdade de atuação. Mas é tanta coisa que surge no dia a dia, caramba, cada uma que parece duas.

E os políticos? Dizem que estão trabalhando para resolver estes problemas. Será? Tudo continua na mesma e nada muda e não muda nada. Uma tinta aqui, um pó de arroz ali, uma tapa buraco acolá e dizem estar fazendo obras e mais obras. Estão mesmo?

As chuvas caem e estragam mais os asfaltos tanto nas cidades como quanto rodovias, e onde não tem asfalto o barro faz com que os carros fiquem a dançar até atolar.

Na verdade fazer mais ou menos não resolve a situação. Essa ruindade vem de longe, mas, será que ainda vai longe? Está fácil não.

Comemoram-se toda a consciência possível nesse nosso país. E a consciência dos senadores, deputados, vereadores, prefeitos, como ficam?

E a segurança? Você se ente seguro nesta terra de meu Deus? Quantos jovens são assassinados por dia?

Vamos ficar esperando por doações de bilionários para que a vida de muitos melhore? As pessoas agora passarão viver de filantropia? Vão viver de mixórdia para o resto de suas vidas?

Ou vamos todos de Aliança Pelo Brasil carregando a Bíblia e levando uma bala.

Contudo, o Brasil ainda é o país do futebol. Viva o Flamengo!

Vamos todos juntos e misturados no nosso Brasil – Brasília, Estado e Município.

Marta Peres