09/09/2019

MARTA PERES ESCREVE: Quando se chega à velhice

Não adianta, a idade chega para todas as pessoas. Não resolve lamentar, chorar, esbravejar, quando menos se espera o tempo passou e todos, indistintamente deparam com a velhice. O bom da questão é que a pessoa fica mais sábia. O melhor é curtir os novos tempos que chegaram.

Existem pessoas que sofrem por conta de estarem envelhecendo, por considerar a velhice inimiga capital. Mas é um estágio na vida das pessoas que conseguem chegar à velhice, é um privilégio para os que conseguiram driblar a morte na mocidade.

Há quem diga que o velho não é bonito. Mas tem tantos jovens que não são bonitos!

Acredito que tenhamos que aceitar tudo o que vem para nós de bom grado, felizes e com um sorriso nos lábios e muito amor no coração. Já imaginou conseguir chegar aos 90 anos, aos 100 anos e com saúde? Não é para muita gente não.

Acredito que o mal maior da velhice são as dores incessantes por conta do enfraquecimento do corpo. Aos poucos as pessoas vão se debilitando e todos os dias é dor disso e daquilo, salvo um ou outro dia que a dor dá um tempo.

Mas a velhice não é o ponto final, mas uma idade régia para os que conseguiram envelhecer. Época dos jovens levarem vantagem e adquirirem sabedoria ouvindo os mais velhos, os seus causos, o consolo de quem tem experiência de sobra.

Não existe desesperança para os mais velhos e sim esperança, pois o sol nasce para todos, as pessoas mais velhas podem sim, esperar que o sol nasça novamente, que o dia chegue logo após o outro dia.

Os idosos de hoje não são como os de antigamente. Hoje tudo mudou e o idoso busca solução e não problema. Grande parte vive a vida, vai à luta, são lúcidos, ativos, andam com firmeza, muitos fazem exercício físico e até participam de jogos. Muitos ainda trabalham, dançam e o melhor, vive. Existem idosos que sambam mais que um jovem.

Porém, cada um tem uma vida diferente e, por conseguinte, terá também uma velhice diferente.

Sabemos que muitos idosos estão apenas durando – pessoas que foram jovens deram duro na vida, foram dinâmicas, brilharam até. Mas como disse anteriormente cada um tem uma vida diferente, logico, terá uma velhice diferente. Porém, todos merecem o respeito e muitas vezes, não é o que acontece.

Quantos idosos ainda enfrentam a vida de frente, cara a cara. Esses são fortes, destemidos e tiro o chapéu para muitos deles.

Vamos nos preparar para chegar à velhice com sabedoria?

Marta Peres