07/11/2019

Minas Gerais na linha de pobreza

Z|E|N
Um a cada cinco mineiros sobrevive em condições de pobreza.

São 4,1 milhões de pessoas recebendo, no máximo, R$ 420 mensais para dar conta de despesas básicas, como água, luz e comida.

O número corresponde a 20% dos habitantes. Desses, 739 mil são obrigados a se virar com apenas R$ 145 a cada 30 dias.

Os dados referentes a 2018 constam na “Síntese de Indicadores Sociais”, divulgados nesta quarta-feira (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para especialistas, a falta de investimentos em políticas públicas, como transferência de renda, geração de emprego e acesso à educação, contribuem para o cenário.

“Houve retrocesso, e a desigualdade social é gritante. A probabilidade é piorar com a redução nos investimentos sociais e a precarização do trabalho”, frisa o coordenador do Polos de Cidadania da UFMG, André Luiz Freitas Dias, programa que atua em comunidades de extrema vulnerabilidade social.

Segundo ele, a situação é bem crítica nas regiões do Norte de Minas e Vale do Jequitinhonha. Mas até a capital não fica fora das estatísticas. De acordo com o IBGE, 316 mil moradores de BH (12,7%) sobrevivem com até R$ 420 mensais.