14/04/2019

PEC propõe unificar eleições federais, estaduais e municipais; prefeitos teriam mandatos ‘estendidos’ até 2022

Z|E|N

Uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) pode prorrogar os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores de todo o país, previstos para serem concluídos no ano que vem, para 2022.

Apresentado durante a Marcha dos Prefeitos na última semana, em Brasília, pelo deputado federal Rogério Peninha (MDB-PR), o documento foi protocolado na Câmara dos Deputados na última quinta-feira (12).

Na avaliação do prefeito de Moema e presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), Julvan Lacerda, a proposta que unifica todos os pleitos eleitorais em um só ano, reduzindo gastos e interrupções em trâmites legislativos e executivos, é positiva em termos financeiros e políticos para o país.

“Com a supressão do pleito eleitoral de 2020, a classe política, livre dos encargos inerentes às campanhas eleitorais, poderá concentrar-se nas reformas de que a República tanto precisa” – contextualizou.

Para Julvan, a prorrogação destes mandatos ainda ‘daria tempo’ para que os prefeitos mineiros conseguissem regularizar e ‘arrumar a casa’ dos municípios antes de entregar para o próximo eleito.