29/10/2009

Projeto prometido em campanha vai ter um custo de 43 mil reais mensais para comerciantes ‘parceiros’

A Prefeitura de Patrocínio e a Fundação Guimarães Rosa (FGV) apresentaram a diretores e associados da ACIP/CDL o “Projeto Olho Vivo”. A informação é da assessoria de imprensa das entidades. Trata-se de um sistema de monitoramento com a instalação, inicialmente, de 23 câmeras (sendo 20 dentro do contrato e mais 3 cedidas pela Fundação) nos pontos mais críticos da cidade com o objetivo de reduzir os índices de criminalidade. A apresentação foi feita pelo coronel Gontijo, da FGV.

De acordo com ele, foi feito um estudo detalhado, com participação da Prefeitura, Polícia Militar e Polícia Civil, quando foram definidos os pontos que precisariam de uma maior vigilância. “É um projeto que onde instalou-se reduziu a criminalidade em 60%”, diz o coronel Gontijo.

O sistema é integrado. Uma central de operações vai ficar junto à Polícia Militar (em Patrocínio provavelmente na 87ª Cia). Um oficial fará o gerenciamento acompanhado dos funcionários que vão monitorar as câmeras. Qualquer fato que acontecer o oficial aciona policiais militares para irem ao local.

O programa de computador usado ainda dá outras opções, com visibilidade do problema no eixo da rua, localização das viaturas e empenha a viatura mais próxima. As imagens são todas gravadas e são confidenciais, sendo que só são liberadas mediante determinação judicial. As gravações ficam arquivadas de 20 a 30 dias.

Segundo o coronel Gontijo, foi feito um projeto de acordo com as possibilidades da cidade: “Nós começamos com um projeto mais audacioso, mas o prefeito pediu para que fizéssemos algumas reduções. Hoje o projeto está bem em conta. Além disso, estamos fazendo um projeto de locação da tecnologia, diminuindo o custo em cinco anos para que não houvesse um desembolso muito pesado da Prefeitura. Então, toda a tecnologia – redes, torres, central, câmeras, etc. – tudo faz parte desse processo de locação que será entregue para a comunidade funcionando em tempo real”.

O investimento mensal do projeto é de R$ 86 mil para um contrato de 60 meses (com o equipamento sendo instalado em regime de comodato), sendo que a Prefeitura se dispôs a pagar 50% desse valor e os R$ 43 mil mensais restantes seriam pagos com apoio de parceiros. Foi montada uma comissão de empresários, presidida pelo sub-tenente Sebastião Moreira, diretor de Segurança e Trânsito da ACIP/CDL, para viabilizar estas parcerias.

O secretário municipal de Segurança, Trânsito e Transportes, Alcides Dornelas, esteve presente à reunião na ACIP/CDL. “Hoje o item número 1 de uma cidade, o que o empresário quer, que o cidadão quer, é a segurança pública. E o delinqüente, o marginal, sabendo que aquela região está sendo monitorada 24 horas por dia pela Polícia Militar dificilmente ele vai chegar ali”, comenta.

Outro que é a favor do sistema é o tenente-coronel José Wilson da Paixão Lisboa, comandante do 46º BPM. “É uma ferramenta fantástica. Todos os municípios do Brasil onde foi implantado o vídeo-monitoramento, houve redução significativa na criminalidade, principalmente crimes contra o patrimônio e criminalidae violenta. Aqui em Patrocínio dividimos a cidade em quatro setores e com a implantação desta ferramenta de trabalho vai permitir que haja uma maior concentração de viaturas nas áreas periféricas do nosso município”.

O monitoramento da cidade através de câmeras de segurança foi um dos pedidos feitos aos candidatos a prefeito no ano passado pela ACIP/CDL, inclusive a Lucas Siqueira (PPS) que acabou vencendo as eleições. As entidades pediram a implantação do projeto não só no centro, mas também nos bairros de Patrocínio.

O presidente da CDL, Walter Bernardes Junior, dá a sua opinião sobre a questão: “O empresário hoje está muito sacrificado na parte de impostos. Hoje o Brasil é dos países com a mais alta taxa de impostos do mundo. Vale ressaltar que o empresário não é contra pagar impostos, é contra essa alta carga tributária. A gente é a favor de pagar imposto, mas que seja justo e que tenha retorno para a população. Esse retorno se dá no direito de todo cidadão, inclusive do empresário, de ter segurança, saúde, educação. Esse é um dever do Estado. O papel das entidades, e nosso como representantes dela, é justamente fazer essa cobrança do Estado, do Município, do Poder Público, das polícias, para que isso venha a acontecer para nosso empresariado”.

Os membros da comissão que foi formada vão no dia 9 de novembro a Uberlândia, acompanhados do Major Dumont, da Polícia Militar, ver de perto o funcionamento do sistema.

Assim que o projeto for colocado em prática, as câmeras serão instalados nos seguintes pontos da cidade:

– 01 Av. Enéias Ferreira de Aguiar/Av. Brasil

– 02 Av. Brasil/CAIC

– 03 Rodoviária – Av. JK/Rua Expedito Dias

– 04 Rodoviária – Av. Orlando Barbosa/Rua Infante Vieira

– 05 Praça da Matriz

– 06 Praça Honorato Borges

– 07 Rotatória do Morada Nova

– 08 Rotatória do Centro Viva Vida

– 09 Prefeitura – Avenida João Alves do Nascimento

– 10 R. Miguel Marques/Infante Vieira

– 11 Posto Capuano

– 12 Posto Serra Negra

– 13 Av. Faria Pereira c/ Av. Dom José André Coimbra (Posto Coopa)

– 14 Av. Faria Pereira c/ Av. Rui Barbosa (Banco do Brasil)

– 15 Av. Faria Pereira c/ Av. João Alves do Nascimento (antiga Rodoviária)

– 16 Av. Faria Pereira (Posto Jamaica)

– 17 Av. Faria Pereira c/ MG 230

– 18 Av. Rui Barbosa c/ Av. JK (Posto Avenida)

– 19 Viaduto da Av. Rui Barbosa

– 20 Praça Santa Luzia (Esquina com Av. Rui Barbosa)

Além destas, a FGV se comprometeu a instalar mais três câmeras sem adicionar custos ao projeto.