13/08/2014

Bloco da situação na Câmara define apoios nestas eleições

Continuando a análise do MAISUMONLINE.com.br sobre o apoio das lideranças locais a candidatos a deputado estadual e federal, o foco agora são os vereadores da situação.

Pelo andar da carruagem, tudo indica que as predileções do prefeito Lucas Siqueira e/ou do vice Betinho não serão levadas em conta pelos vereadores da sua base de apoio nestas eleições.

Caso se configure, este fenômeno pode ser definido como, no mínimo, emblemático e ficará para sempre registrado nos anais da moderna política mel rangeliana. Afinal, via de regra, é o poder Executivo quem sempre conduziu esse tipo de processo na cidade…

Analistas políticos locais consultados pela reportagem são unânimes em afirmar que a péssima avaliação popular do atual governo municipal – que em recente pesquisa de opinião publica registrou um índice de rejeição altíssimo, cerca de 78 pontos percentuais – deve inibir (se já não inibiu!) os atuais mandatários a se envolverem diretamente nas eleições deste ano. “O melhor a fazer é passar ao largo do processo.” – concluem.

Quem é de quem na CMP

O presidente da Câmara, vereador Cássio Remis (PSDC), por exemplo, está apoiando o vereador de BH Pablo Cezar de Souza, o Pablito, candidato a deputado estadual pelo PV. Na esfera estadual, Remis está com o empresário Renato Andrade, candidato a deputado federal pelo PP.

Devem auxiliar Cássio Remis nesta empreitada os vereadores Carlão do Bairro Serra Negra (PSB); Fabinho Gasolina (PTB); Marly Avila (PPS), Salitre (PSDB), dr. Ari (PROS), José Renaldo (PTB) e o suplente Chokito.

Adriana de Paula (PSB) já declarou apoio explícito ao deputado estadual uberabense Lerin e está em vias de apoiar o deputado federal Renato Andrade.

Já o vereador/médico (ou médico/vereador) dr. Marco Antônio (PPS) adotou uma postura política blazê. Não assumiu oficialmente nenhuma candidatura, mas tem se deixado fotografar ao lado do araxaense Bosco, candidato a deputado estadual, e Zé Silva candidato a federal.

Só para efeito de registro, em Minas Gerais, a eleição deste ano será a mais disputada das últimas duas décadas. Para a Câmara dos Deputados, 674 candidatos competem por cada uma das 53 vagas mineiras, concorrência duas vezes maior que nas eleições de 1994. Já para a ALMG, 1.164 candidatos estão na briga por cada uma das 77 cadeiras, um acréscimo de 62% em relação a 20 anos.