18/03/2014

Cães | PL busca controlar população e incentivar a adoção

O Serviço de Zoonoses, realizado pela Administração no canil municipal, já conta com autorização legal para castração de cachorros que, posteriormente, são soltos nas proximidades onde foram capturados.

Segundo o vereador e médico Dr. Marco Antônio, durante o período em que foi titular da Secretaria Municipal de Saúde, o procedimento evitou o nascimento de cerca de 10 mil cães na cidade.

E buscando controlar ainda mais essa grande população de animais, ele mesmo propôs alterações na lei de 2009 que, ampliam esse serviço, facilitando inclusive a adoção de animais, que contará com um link com fotos dos animais no portal oficial da Prefeitura.

Justificativa

Na justificativa do processo de lei 166/2013 o vereador salienta a necessidade de ampliar o número de cirurgias para a esterilização de cães que, a cada dia se multiplicam na cidade, ressaltando a necessidade da prática para reduzir a população de animais soltos e abandonados a médio e longo prazos.

“Este item não está contemplado na legislação e o serviço de Controle de Zoonoses captura o animal, realiza a castração e depois o mantém no abrigo de cães no Canil Municipal até que alguém decida adotar tal animal. Algumas campanhas de adoção já têm sido realizadas, mas a saída é muito pequena e estes ficam sendo mantidos pelo serviço publico com rações e medicamentos e o abrigo tem apenas 33 celas, o que limita o serviço de captura de outros por não ter condições de abrigá-los. Esta é uma prática comum em outras cidades, pois quando prende fica o resto da vida, conforme campanhas já feitas na cidade, geralmente são adotados somente filhotes”, destacou o dr Marco Antônio, em entrevista ao Sistema Difusora de Rádio.