25/06/2014

Contas 2005 de Júlio Elias são rejeitadas pela segunda vez

Pela segunda vez em 6 meses, as contas do ano de 2005 do ex-prefeito Júlio Elias foram REJEITADAS pela Câmara de Patrocínio.

A votação deste ‘segundo turno’ aconteceu durante a ‘Ordem do dia’ da 15ª Ordinária da casa de Leis rangeliana, realizada na noite desta terça (24).

Oito (8) vereadores, todos da base governista – Cássio Remis, dr. Ari, Salitre, Fabinho Gasolina, José Renaldo, Adriana de Paula, Marly Ávila e dr. Marco Antônio – acompanharam o parecer prévio do Tribunal de Contas de Minas Gerais, REJEITANDO as contas.

Três (3) vereadores registraram suas abstenções, Bebé, Marcilene Jacinto, Thiago Malagolli. A vereadora Neusa Mendes não compareceu a reunião.

Greyce Elias, Carlos Alberto Silva (Carlão do Serra Negra) e Joel de Carvalho votaram contrários ao parecer do TCEMG.

Para se safar de mais essa condenação, Júlio Elias precisava que 10 dos 15 vereadores que atualmente compõem o Legislativo mel rangeliano votassem CONTRA o parecer do Tribunal de Contas de Minas Gerais.

O MAISUMONLINE.com.br acompanhou pari passu, in totum, sine qua non, mais esta histórica página política da terra mel rangeliana.

Ostracismo nas urnas

Este resultado deve agregar ao ex-prefeito mais 8 anos de ostracismo político a uma recente condenação na justiça (também de 8 anos) por improbidade administrativa, principalmente agora, com o pleno vigor da lei ‘Ficha Limpa’.

Além do mais, o ex-prefeito 93/96 e 2005/2008 entra definitivamente não só para a história política patrocinense, mas também para a história do Tribunal de Contas de Minas Gerais, como o primeiro prefeito que teve suas contas rejeitadas não uma, mas por duas vezes consecutivas.

Em um post publicado em sua página pessoal no Facebook no final da tarde de ontem, o ex-prefeito demostrou estar ciente da derrota, inclusive nominando os vereadores que seriam contra e a seu favor. No longo texto, dr JCEC informou também que deverá, de novo, novamente e outra vez, recorrer da decisão.

Não manhã desta quarta (25), porém, o post havia sido retirado do ar. Mas o MUOL teve o cuidado de ‘printar’ e salvar o texto.

Entenda o caso

As contas do ano de 2005 estavam na berlinda devido a um parecer do Tribunal de Contas de MG, que detectou o uso de algo em torno de 10 milhões de reais pelo ex-prefeito sem ‘cobertura legal’, ou seja, sem autorização do Legislativo e nem comprovação documental da aplicação deste valor.

A votação entrou na pauta da Câmara em dezembro de 2013 quando nove dos 15 vereadores da Egrégia e Augusta Casa de Leis rangeliana – Cássio Remis, dr. Ari, Marcilene Jacinto, Salitre, Fabinho Gasolina, José Renaldo, Adriana de Paula, Marly Ávila e dr. Marco Antônio – acompanharam o parecer prévio do TCEMG e REJEITARAM as contas de Júlio Elias.

Quatro vereadores – três deles da Comissão de Finanças e Orçamento – Greyce Elias, Thiago Malagolli e Carlos Alberto Silva (Carlão do Serra Negra), somados a Joel de Carvalho votaram contrários ao TCEMG, APROVANDO as contas de Júlio Elias. Duas abstenções foram registradas, Bebé e Neusa Mendes.

Ao ter conhecimento do resultado, dr JCEC se utilizou de uma estratégia muito usada no meio jurídico, o ‘jus esperneandi’ – que é o direito de espernear, de reclamar – e recorreu da votação.

Além da ação jurídica, segundo informações do prestigioso e prestigiado Jornal de Patrocínio, Júlio Elias pediu ajuda a ninguém mais, ninguém menos que o vice-prefeito Betinho Nascimento para tentar ‘virar o jogo’.

Betinho entrou no páreo de ‘cara pra trás’! Se empenhando de corpo, alma e coração junto aos vereadores de sua base na aprovação das contas de 2005 de Júlio Elias.

A justificativa usada pelo vice-prefeito durante sistemáticas e insistentes ligações/encontros com ‘seus’ vereadores era simplória, “Eleição se ganha é na urna”. Mas o Jotapê registrou que a ação teria um só intuito, “uma futura composição política”.

E não é que o bem informado Jotapê tinha razão!

Informações obtidas em Belo Horizonte pelo MAISUMONLINE.com.br davam conta que o nome de Júlio Elias conta de uma listagem de pré-candidatos a deputado estadual pelo PSL para as eleições desse ano. A expectativa de votos depositada no dr. JCEC pelo seu partido é de 20 mil votos.

Recentes pesquisas encomendadas pelo GU23 mostraram que, com Júlio Elias candidato a deputado estadual nas eleições deste ano, (mesmo que com uma candidatura mantida de recurso em recurso, como ele tem feito nos últimos pleitos) dificultaria e muito a (re) eleição de Deiró Marra.

Derrotado, Deiró Marra voltaria a ser um ‘cidadão comum’, perderia o apoio dos vereadores de sua base, sua competente assessoria parlamentar e os holofotes da mídia local, se tornando presa fácil numa virtual disputa com Betinho pela prefeitura. Afinal, todo mundo sabe que a ‘máquina pública’ na mão faz uma diferença danada nesta hora.

Ao saber disso, Deiró Marra também entrou ‘no jogo’. Segundo fontes, o parlamentar monitorou o tempo todo a votação desta terça (24), mantendo contato direto via telefone com seus vereadores, além de assistir a sessão via internet.

Outra candidatura a deputado estadual que estaria sensivelmente comprometida seria a do presidente da Câmara, Cássio Remis. É bom registrar que (até o momento) Cássio, no exercício de sua função parlamentar, tem se mostrado um companheiro de primeira hora, ‘um homem de grupo’ como o prefeito Lucas Siqueira não se cansa de ressaltar.