13/05/2011

Crise nas instituições de segurança: CCSPP e 2º Pelotão de Bombeiros se digladiam por sala

É tenso o relacionamento entre o comandante do 2º Pelotão de Bombeiros Militar, Relson Miguel de Macedo, e o presidente do CCSPP, Marcio Montanari.

O motivo da discórdia, uma sala que o Conselho utiliza como sede que fica no complexo militar onde estão instalados o PBM, a Polícia Ambiental e a Polícia Rodoviária Estadual.

Desocupada no ano passado, quando o CCSPP mudou-se para o centro da cidade, na Avenida Rui Barbosa, a sala estava sendo mantida fechada pelo Conselho Comunitário de Segurança Preventiva.

Como o Corpo de Bombeiros precisava do local para acondicionar equipamentos operacionais, o Tte Relson oficiou o presidente do CCSPP da necessidade.

Ao ofício do comandante do CBM, o presidente do CCSPP respondeu, também via ofício, que não iria devolver a sala em questão pois deverá voltar a ocupá-la em breve “Pensamos em conseguir melhorar a nossa (do CCSPP) renda mensal através de patrocínios no site e, com isso, proporcionar a manutenção definitiva da nossa sede no centro da cidade, porém, isso não aconteceu e corremos o risco de voltarmos ao nosso antigo endereço a qualquer momento.” – diz o oficio assinado por Márcio Montanari.

Mais a frente, o presidente do CCSPP culpa o Corpo de Bombeiros fracasso do projeto de implantação do site de notícias do CCSPP, “O site do Conselho foi criado para levar à população as notícias da segurança pública local…” ( ) “No entanto o que se vê é que tem sido alimentado por postagens quase que mensais por este pelotão de bombeiros, semanais pela PM, esporádicos pelo Judiciário e nenhum registro foi feito até agora pelos demais, Polícia Civil, Ambiental, Rodoviária e Ministério Público.” “Nem mesmo os (órgãos de segurança) mencionados não o visitam diariamente, numa total demonstração de desiteresse com a nossa causa. Se não tem notícia não tem visitas e a meia dúzia de acessos por dia não gera interessados em colocar a propaganda de sua empresa ali.”

O ofício do CCSPP cobra a participação do 2º PBM nas reuniões do Conselho, “Até em nossas reuniões verificamos tais ausências. Só aparecem quando está precisado pedir alguma coisa. Por questão de justiça, temos que registrar a participação do 46º BPM, que raramente falta às nossas reuniões.” – finaliza.

Resposta do Corpo de Bombeiros

Em sua resposta ao ofício do CCSPP, o Tte Relson Miguel de Macedo faz um histórico da ocupação daquele espaço – pertencente a Central de Abastecimento de Minas Gerais – pelo Corpo de Bombeiros e pelas Polícias Ambiental e Rodoviária Estadual, “Não há qualquer tipo de comodato por parte dos órgãos de defesa social nem por parte do CCSPP.

“Segundo consta na memória dos militares, o local foi cedido para que o CCSPP se instalasse provisoriamente, pois não havia demanda para a sala. Mas hoje a realidade é outra, pois com nova política do comando da CBMMG e o orçamento repassado através da Taxa de Incêndio, o 2º Pelotão conta hoje com um número muito grande de material operacional, que precisa ser melhor acondicionado.”

Mais a frente, o Tte Relson diz que o presidente do Conselho Comunitário de Segurança Preventiva de Patrocínio teria sido leviano, insensato e deselegante ao culpar os órgãos de defesa social do município pelo fracasso do projeto de mídia do CCSPP.

“Se hoje o Conselho tem uma renda advinda da população patrocinense foi graças ao suor dos militares que foram de casa em casa, comércio em comércio, indústria em indústria, vendendo a idéia da instituição que hoje Vossa Senhoria preside.” – diz.

“O projeto de mídia a qual o presidente se refere deve ser administrado por profissional competente para tal e não pelos comandantes das instituições que hoje devem se preocupar com um número sem fim de missões dadas pelos seus comandos operacionais.” – sintetiza.

“Se Hoje o CCSPP não consegue manter o aluguel de um espaço físico que ora está sendo utilizando não é por culpa de nenhum órgão dos sistema de defesa social e sim pelas más administrações.” – argumenta o comandante do 2º PBM.

Para acirrar ainda mais os ânimos, o Tte Relson informa no ofício que durante reunião que aconteceu no ano passado, o presidente do CCSPP afirmou que o posicionamento era pela devolução da sala ao Pelotão de Bombeiros, “E agora não cumpre o combinado.” – informa.

O comandante do Pelotão de Bombeiros informa ao final do ofício que a partir da data do protocolo do documento estará “ocupando a sala hoje fechada que era gentilmente cedida ao CCSPP e todo material que estiver nela será colocado na parte superior por um período de 2 meses até que o CCSPP o recolha.” – finalizou.

Pelo jeito que está e do jeito que a coisa vai, o relacionamento entre o 2º PBM e o CCSPP está em vias de (perdoem o trocadilho) pegar fogo.