23/11/2010

Eleição da Câmara pode polarizar entre dois componentes do mesmo grupo político

A disputa, até agora velada, entre os vereadores Alberto Sanarelli (PPS) e Cássio Remis (PSDC) pela presidência da Câmara pode (e deve) ganhar contornos dramáticos até o final desse mês.

Acompanhe o MAISUMONLINE no Twitter

Prevista para acontecer no dia 14 de dezembro, a escolha da nova mesa diretora da Egrégia e Augusta Casa de Leis deverá ser inédita e antológica, pois envolverá duas lideranças que compõem, até o momento, um mesmo grupo político, aquele que elegeu o prefeito Lucas Siqueira.

PREFEITO É REMIS

Segundo fontes fideldígnas – o prefeito que é do PPS, o mesmo partido de Sanarelli – declara apoio abertamente (e pede votos) para o polêmico Cássio Remis. Um a um, os vereadores estão sendo chamados no gabinete (nos dias em que o prefeito não está viajando) para ouvir seus cada vez mais insistentes pedidos e argumentações.

“Tudo isso só tem uma explicação, ou o prefeito tem pelo Cássio uma admiração profunda ou então um imenso temor… Ele (o prefeito) não vê defeitos e só consegue apontar qualidades no filho vereador do secretário Marcão.” – revelou-nos um edil que pediu pra não ser identificado.

REMIS PRECISA DE 6 VOTOS…

A interlocutores, o jovem Remix afirma textualmente que já tem 5 votos garantidos entre os edis. No entanto, entretanto, a matemática é clara, ele precisa e necessita de 6 votos para vencer qualquer disputa eletiva dentro da Casa de Leis, pois é o penúltimo vereador em número de votos na atual legislatura.

Entre os companheiros, nas cada vez mais frequentes comemorações antecipadas de final de tarde, o filho de Marcão bate no peito, bem ao seu estilo, e garante, “O sexto voto é da cota e de responsabilidade do prefeito.”

…E SANA SÓ DE CINCO

Alberto Sanarelli, que já sabe que não conta com a preferência do prefeito que ajudou a eleger, deposita suas esperanças num aprovável apoio do bloco político ligado ao deputado estadual Deiró Marra.

Caso isso aconteça, além do seu voto, Sanarelli teria os votos de Bebé, Marcilene e do dr. Ari, além do voto de Joel de Carvalho, pois o PP atualmente pertence ao grupo de Marra. Se isso acontecer, a presidência da Câmara seria de Sanarelli, pois um empate em votos dá a cadeira ao vereador do PPS, o segundo mais votado da atual Câmara.

JOEL: VOTO EM MIM OU NO CÁSSIO

O problema poderá ser Joel de Carvalho. Reticente, o edil do PP apresenta sempre duas hipóteses: ou vota nele mesmo ou vota em Cássio Remis. Entretanto, especialistas em direito público são enfáticos e taxativos quanto a uma possível ‘desobediência’ de Carvalho.

“Caso Joel não acompanhe o partido votando naquele em quem a nova comissão provisória do PP apontar, ele vai incorrer na lei de infidelidade partidária e será cassado. Ele sabe disso!” Nunca é demais lembrar que a suplente de Joel é ninguém menos que Isa Nunes Cortes, ex-exposa do ex-prefeito JulElias Cardoso.

Porém, todavia e contudo, nada está definido. Segundo analistas da política local, tudo se resolverá de véspera, ou melhor, aos 46 minutos do segundo tempo do dia 14 de dezembro. Até lá, convém as farmácias locais reforçarem seus estoques de calmantes, tranquilizantes e ansiolíticos…