03/09/2011

‘Estado de Minas’ fala do aumento de vereadores em Patrocínio

Quanto mais as lideranças demoram em fazer aprovar (ou não) o PL que aumenta para 15 (ou 17) o número de cadeiras na Casa de Leis rangeliana, mais a opinião pública se mobiliza e cria mecanismos para combater a medida.

Neste sábado (03) foi a vez do prestigioso jornal ‘Estado de Minas’ entrar na jogada. O grande jornal dos mineiros publicou em sua edição virtual matéria comentando sobre o aumento.

No texto, o Estaminas trás uma novidade, ‘uma petição pública para coleta de assinaturas de moradores que se opõem à criação de cadeiras na Câmara começou a circular pela cidade na quinta-feira.’

Trairagem

Ao todo, são 6 os autores do PL que pretende voltar para 15 o número de vereadores na próxima legislatura, Bebé, Marcilene, dr. Ari, Salitre, Joel e Aleir. Alguns deles não escondem a insatisfação do projeto do aumento no número de cadeiras não contar com a assinatura importante, a do atual presidente Alberto Sanarelli.

Dos autores do projeto modificativo, cinco apoiaram e votaram em Sanarelli na polêmica eleição para a presidência da Casa de Leis. Três deles fazem parte da atual mesa diretora, ‘No mínimo, ele (Sanarelli) deveria ser companheiro, corporativista, defender e apoiar os interesses do grupo que o elegeu… Mas ao contrário, está é reforçando o discurso do inimigo, jogando contra o patrimônio.’ – comentam nos bastidores.

O projeto que volta para 15 o número de veredores na Egrégia e Augusta Casa de Leis rangeliana foi apresentado na ordinária da última terça (30.ago). Encaminhado para as comissões pertinentes, a proposta já tem o número de votos exigido para sua aprovação, pois a matéria exige maioria simples, ou seja, metade mais 1 voto.

Lideranças apoiam

Lideranças políticas locais trabalham para o aumento de número de vagas, argumentando que além do aumento de representatividade no município, a medida em nada vai onerar os cofres públicos, uma vez que o repasse da prefeitura a Câmara (o famoso duodécimo) continuará o mesmo, 7% da arrecadação do município.

Já se manifestaram publicamente favoráveis ao aumento do número de cadeiras na câmara o prefeito Lucas Siqueira, o vice Fausto Amaral, o ex-prefeito JulElias, os ex-vereadores Alcides Dornelas e Carlos Ibrahim Daura e o secretário Thiago Miranda.

Leia abaixo a matéria do Estaminas.

Vereadores querem mais vagas na Câmara de Patrocínio
Projeto pretende ampliar o número de cadeiras na Casa

Leonardo Augusto –

Publicação: 03/09/2011 06:00 Atualização: 03/09/2011 07:06

Vereadores de Patrocínio, no Alto Paranaíba, querem aumentar de 10 para 15 o número de cadeiras da Câmara Municipal. Projeto de lei que prevê a alteração está em tramitação na Casa e poderá ser votado na terça-feira. A alteração valeria a partir de 2013, portanto, depois das próximas eleições.

Uma petição pública para coleta de assinaturas de moradores que se opõem à criação de cadeiras na Câmara começou a circular pela cidade na quinta-feira. Pesquisa feita por emissora de rádio local aponta que 95% da população é contra a alteração.

Dos 10 vereadores, sete seriam a favor do aumento no número de cadeiras. Os parlamentares estariam discutindo ainda a possibilidade de criar não cinco, mas sete vagas. Conforme a legislação, Patrocínio, que tem 85 mil habitantes, pode ter de 10 a 17 vereadores.

O texto da petição questiona os motivos que levariam os parlamentares a terem interesse em criar vagas na Câmara e cita o salário pago aos integrantes da Casa, de R$ 6 mil. “A situação atual é crítica na área da saúde, segurança, transporte coletivo, moradia, distribuição de água potável, violência, meio ambiente e aqueles que deveriam defender os interesses populares estão na contramão” (por quererem aumentar os gastos públicos).

Montes Claros

Na terça-feira, os vereadores de Montes Claros, Região Norte de Minas, aprovaram em primeiro turno mudança na Lei Orgânica Municipal que permite aumentar de 15 para 23 o número de parlamentares da Câmara também a partir da próxima legislatura. Pesquisa feita pelo próprio Poder Legislativo mostra que 90% dos entrevistados são contra a criação de vagas para vereadores na cidade.

Com a alteração, o número de parlamentares em Montes Claros passará a ser o teto do estabelecido pela Constituição para cidades com o porte do município, que tem cerca de 400 mil habitantes. Os gastos com cada vereador na cidade, hoje, são de R$ 22,7 mil mensais. Do total, R$ 9,6 mil são referentes a salário, R$ 7,1 mil para contratação de pessoal e R$ 6 mil de verba de gabinete.