08/07/2014

Greyce inicia campanha à Câmara Federal nas redes sociais

Através das redes sociais, a vereadora Greyce Elias divulgou na manhã desta terça (08) o emblemático número ‘1011’, com o qual deverá concorrer ao cargo de deputada federal pelo PRB.

Mesmo quem não acompanha pari passu, in totum, sine qua non a política rangeliana consegue notar que, com a inclusão do final ‘11’ em seu número de registro nas urnas, Greyce Elias (que já tem o mesmo sobrenome) busca ‘conquistar’ os eleitores do tio, Júlio Elias.

Em Patrocínio, seu maior reduto eleitoral, Greyce vai mesmo bater chapa com Silas Brasileiro (PMDB) em busca de uma vaga a Câmara Federal. Sempre que pode, Brasileiro registra na mídia local uma enorme insatisfação por estas ‘investidas eleitorais’ protagonizadas por pessoas que, segundo ele (Silas), não têm chance real de eleição, mas se lançam com um único objetivo, atrapalhar sua votação no município.

Sim, não, talvez

Pela legislação eleitoral a vereadora não precisará deixar a cadeira durante as eleições. Mas, caso se afaste, seu suplente será o ex-vereador Alcides Dornelas (PRP), que nas eleições de 2012 recebeu 772 votos. Dornelas é hoje assessor parlamentar de Deiró Marra.

Segundo fontes extra-oficiais, Greyce estaria buscando uma dobradinha política com Marra em algumas cidades onde o parlamentar patrocinense não teria compromisso com outros candidatos a deputado federal.

Nos bastidores, porém, a parceria é controversa. Ao lado do PT, PMDB, PCdoB e do PROS, o PRB de Greyce faz parte da Coligação ‘Minas pra você’, apoiando o ex-ministro Fernando Pimentel ao governo de Minas. O PR de Deiró está na Coligação ‘Todos por Minas’, que apóia a candidatura de Pimenta da Veiga ao governo do Estado.

Concorrência

Segundo dados apurados pelo jornal ‘O Estado de Minas’, o custo da campanha proporcional no estado deve girar entre 5 a 10 milhões de reais. O TREMG registrou 635 aspirantes a deputado federal, ou seja, 11,9 candidatos por cadeira.

Abalizados analistas políticos avaliam que, se for levada em conta a média de 2010, a votação necessária para se eleger pode girar em torno de 90 mil votos para deputado federal e 35 mil votos para estadual. Mas como política é igual nuvem no céu, tudo pode mudar…