25/10/2010

Insatisfeitos, moradores dos Bairros Dona Diva I e II e Morada Nova III prometem ações contundentes devido a proibição de convergência na Avenida Sanitária

Há cerca de 1 mês trabalhando no guverno 23, mas só agora apresentado oficialmente à sociedade local, o ouvidor municipal Hiran Acácio dos Reis, terá como grande teste de necessidade e competência o imbróglio que se tornou certas mudanças no trânsito da cidade.

Como se não bastasse o crônico problema chamado Rua Cesário Alvim, onde prevaleceu muito mais a arrogância e a prepotência do poder público que o tão preconizado bom senso, com a continuação da mão dupla de direção numa via pública pra lá de estrangulada, os olhos da população se voltam agora para a única via de acesso direto e rápido para o bairro Dona Diva I, Dona Diva II e Morada Nova 3, a passarela sob o Córrego Rangel, na Avenida Sanitária, seqüência da Rua Presidente Vargas.

Por determinação da secretaria municipal de Trânsito, Transporte e Segurança, cujo titular é o ex-vereador Alcides Dornelas, aquela passagem agora passou a ser ‘mão única’, com a convergência permitida apenas àqueles veículos que circulam sentido Bairro Morada Nova/Centro.

Quem quiser, necessitar e/ou precisar com urgência chegar aos bairros citados terá que percorrer mais um longo trecho, indo até a passagem da Rua Professor Olímpio – Poliesportivo da Morada Nova -, e então retornar.

O curioso e interessante é que, mesmo com a mudança de convergência na passarela da Avenida Sanitária, o trânsito da Rua Presidente Vargas sentido centro/bairro, pós-avenida sanitária continua mão dupla, ‘A prefeitura, que deveria facilitar a vida do cidadão, acabou por proibir o acesso rápido ao nosso bairro.’ – reclama o morador José Batista Braga Lino.

Como não poderia ser diferente, no final de semana, moradores, comerciantes e usuários contumazes daquela via de acesso deram ‘a grita’. No ‘Show da Manhã’ da Difusora, pouco antes de embarcar para mais uma de suas viagens, o prefeito esboçou uma explicação… E mais uma vez não convenceu.

A insatisfação repercutiu no Jornal de Patrocínio deste sábado (23.out), com a publicação de uma Nota de Repúdio assinada pelos moradores e empresários do bairro. Na missiva, além de uma explicação razoável para a mudança, os signatários reclamam da atitude prepotente e ditatorial do secretário Alcides Dornelas e de seu assessor Roberto Margari.

“O que mais nos enoja é ver que o secretário municipal (Alcides) e o ‘aspone’ (Margari), depois da fixação da placa de proibição, foram admirar a ridícula situação no Bar ‘Espetinho do Braúlio’ e, sabendo da indagação e da insatisfação dos moradores, usaram de bebidas alcoólicas para se encorajarem e justificar o injustificável.” – diz a matéria publicada no Jornal de Patrocínio, página 13.

Segundo fontes, ao ouvir um morador do bairro Dona Diva reclamar das dificuldades que a mudança iria proporcionar para o seu acesso ao bairro, Dornelas ironizou bem ao seu estilo, “Uai, é só você comprar um helicóptero..!’ Segundo pessoas que assistiram a cena, o clima pesou, a situação beirou o insustentável, quase chegando a vias de fato.

Ao final, a Nota de Repúdio publicada no JP sintetiza, “Nossas camufladas autoridades, ao invés de proporcionar a paz, agridem os munícipes, não ouvem, se intitulando os senhores da razão, inflexíveis, característica peculiar de um agente político desequilibrado e sem noção. Perdemos nós, mas perde também o governo municipal. Uma pena.” – assinam os moradores dos bairros, que prometem uma manifestação pública no local para esta semana.