13/05/2009

Maior endividamento da história do município foi reprovado pela Câmara

Sobraram tentativas de articulações nos bastidores, com ingerências político/partidárias por todo canto e em todo lado, bate-bocas e alfinetadas, mas no final prevaleceu o bom senso.

Na noite desta terça-feira (12), durante a sessão ordinária da Egrégia e Augusta Casa de Leis rangeliana, foram votados os 3 projetos do executivo que, se aprovados in totum, contemplariam o Governo 23 com a vultuosa soma de mais de 20 milhões de reais para ‘obras diversas’, o MAIOR ENDIVIDAMENTO DA HISTÓRIA DO MUNICÍPIO EM 167 ANOS.

O projeto de maior destaque da noite era o pedido de empréstimo de mais de 7 milhões e meio de reais, para – segundo a justificativa – saneamento básico no bairro Serra Negra e nos distritos de São João e Serra do Salitre.

O que assustou neste projeto foram os juros e o prazo de pagamento. Se aprovado fosse, o pagamento seria feito em 180 meses com carência de 36 meses e com juros de 8% ao ano, ou seja, só na próxima gestão e… Por qual prefeito???!!

O referido PL obteve 5 votos contra 4, mas foi reprovado, por necessitar de maioria absoluta (ou seja, no mínimo 6 votos favoráveis) em sua votação. O presidente da Casa, Humberto Donizete, o Bebé, informou que isso aconteceu porque, além de contrariar o regimento interno, o valor pedido superaria a despesa de capital, ou seja, o investimento previsto no Orçamento Geral do Município para 2009.

O Executivo, assessorado pelo advogado Adilson Souza, da Amadeus Consultoria, promete recorrer da votação e tem certeza que sairá vitorioso da empreitada.

Os vereadores aprovaram por unanimidade o pedido de 2 milhões e 916 mil reais, segundo o prefeito, para comprar máquinas e equipamentos que vão beneficiar diretamente o homem do campo.

No final, o Governo 23 recuou estrategicamente e retirou da pauta o terceiro projeto que pedia 9 milhões e 880 mil reais ao BNDES para renovar a frota escolar.

O projeto prejudicaria frontalmente os prestadores de serviço do transporte escolar, que no início deste ano – por exigência do secretário de Trânsito e Segurança, Alcides Dornelas – investiram pesado na reforma de seus veículos para melhorar a qualidade da prestação de serviços.

Sem receber os valores devidos de 2008 e com um atraso substancial nos pagamentos pelo governo 23 os motoristas lotaram as dependências da Câmara. Ao final, saíram um pouco mais tranqüilos.