20/01/2014

Numero de pacientes de Patrocínio em Barretos diminuiu em 2013

O número de pacientes com algum tipo de câncer do município de Patrocínio, em tratamento no Hospital de Barretos, apresentou redução no ano passado.

A boa noticia foi constatada pelo jornalista Luiz Cabral, durante as cerca de 20 horas que permaneceu naquela cidade entre os dias 13 e 14 de janeiro, oportunidade em que visitou a unidade de saúde. Entre 2012 a 2013 a redução de pacientes com câncer foi de 161 pacientes.

Em 2012 foram 676 pacientes, o que gerou 4.928 atendimentos, enquanto em 2013 foram 575 pacientes, gerando 4.266 atendimentos. Vale ressaltar que cada paciente recebe durante o tratamento, dezenas e até centenas de atendimentos.

Mesmo com os resultados positivos e a cura da doença, os pacientes são orientados a fazer retornos periódicos à unidade para monitoramento. Os dados foram confirmados pela jornalista Karina Carreira, responsável pelo Departamento de Marketing e Comunicação da Fundação Pia XII ou como é conhecida “Hospital do Câncer de Barretos”.

Minas

Segundo os registros, em 2012 foram contabilizados 11.270 pacientes com algum tipo de câncer de Minas Gerais, o que gerou 75.341 atendimentos. Em 2013 foram 10.431 pacientes, gerando 71.847 atendimentos.

Diante dos dados registrados, a cidade de Patrocínio nunca figurou em primeiro lugar no ranking com maior número de pacientes com a doença. Na computação geral dos números de 2012/2013 Patrocínio se manteve em quarto lugar no número de pacientes.

Hospital

O Hospital do Câncer de Barretos faz 4 mil atendimento diários, centenas de cirurgias e internações. Todos os procedimentos são feitos 100% pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Tudo começou em março de 1962, através do Dr. Paulo Prata e a esposa Drª Scylla Duarte Prata que assumiram a gestão do Hospital São Judas Tadeu, que se especializou em câncer em novembro de 1967, quando foi criada a Fundação Pio XII. A partir de então começou a ser construído o novo complexo hospitalar que se tornou referência nacional.

Hoje é o maior e mais avançado hospital oncológico do país com atendimento 100% através do SUS. O Hospital do Câncer concluiu o ano de 2012 com 573.832 atendimentos realizados a 100.580 pacientes de 1.585 municípios de todos os estados do país.

A unidade de saúde reúne 260 médicos e mais de 3,5 mil colaboradores. Mantém 13 alojamentos oferecidos gratuitamente a pacientes e acompanhantes, com 650 lugares divididos em pavilhões femininos, masculinos, casal, acamados e cadeirantes. É instituição irmã do MD Anderson Câncer Center dos Estados Unidos, o maior centro de tratamento e pesquisa de câncer do mundo, e ainda recebeu um prêmio da AVON como “Campeão Mundial em Avanço na Área Médica no Combate ao câncer de Mama”. Em 2012 assinou acordo com o Saint Jude Children’s Research Hospital e tornou-se “instituição gêmea”, propiciando um atendimento especial a milhares de crianças com doença. A leucemia infantil, por exemplo, mantêm um índice de cura de 64%, enquanto nos EUA o alcance é de 90%.

Infanto-juvenil

O prédio do Hospital do Câncer infantil, conta com um prédio com estruturas inovadoras para facilitar, dinamizar e tornar mais agradável o convívio das crianças e suas famílias com o ambiente hospitalar. A unidade conta com ambulatório, salas de infusão separadas por faixa etária, centro de quimioterapia, laboratório de emergência, pronto atendimento 24 horas, internação, centro cirúrgico e UTI.

Os quartos individuais têm o objetivo de tornar a internação diferenciada, destinados aos pacientes em cuidados paliativos, mantendo estrutura para receber mais de um integrante da família e toda a atenção ao bem estar da criança. O local mantém alguns itens de entretenimento desmobilizados para as crianças como brinquedoteca, sala de jogos, espaço da família, lanchonete entre outros.

Os Pavilhões “Luiz Inácio Lula da Silva” e “Xuxa” são específicos para o tratamento de crianças com câncer. Mantêm uma casa de apoio exclusivo para receber crianças em tratamento e já se encontra em execução, a construção de quiosques onde os menores em tratamento prolongado, possam receber e manter a visita dos familiares, pais, irmãos, avos, tios e até amigos próximos. Estima-se que a proximidade melhore o psicológico dos pequeninos e os resultados do tratamento da doença sejam ainda melhores.

Novas Unidades

O empresário Henrique Prata é hoje o diretor do Hospital do Câncer, dando prosseguimento ao projeto inicial do pai Dr. Paulo Prata. Com visão e empreendedorismo convidou artistas e empresários para se engajarem no grande projeto. E para descentralizar o atendimento e atender a grande demanda de novos pacientes, inaugurou unidades de Jales/SP; Porto Velho/RO; Fernandópolis/SP; Campo Grande/MS e Juazeiro/BA.

O trabalho de prevenção de câncer é pioneiro na América Latina, foi iniciado em 1994, com o objetivo de melhorar o diagnóstico precoce de câncer de Barretos. A iniciativa apresentou resultados altamente positivos e do total de mulheres diagnosticadas com câncer, 80% dos casos estavam em estagio inicial, em que a chance de cura é de 90%. Mantêm hoje dezenas de unidades móveis de mamografia que percorrem todo o país. O projeto da unidade móvel do Hospital do Câncer “Dr. José Figueiredo” de Patrocínio, contou com o apoio do Hospital do Câncer de Barretos e acredita-se que já esteja em funcionamento no segundo semestre do ano.

Dificuldades

Apesar da importância e grandiosidade, o Hospital do Câncer de Barretos enfrenta problemas financeiros, correspondentes a sua grandiosidade. Mensalmente o hospital tem um gasto mensal que gira em torno de 20 a 22 milhões de reais e uma arrecadação que não chega a 14 milhões.

Esse desequilíbrio provocou um déficit mensal entre junho a setembro de 2013, entre 6 a 8 milhões de reais. Esse buraco de milhões é coberto com o auxilio de artistas que fazem shows pelo país e repassam toda arrecadação para o Hospital, além de campanhas, leilões de gado realizados em vários estados da federação e outras doações.

Recursos

Em outubro do ano passado, o ministro da Saúde Alexandre Padilha, participou em Barretos do 16º encontro Anual de Coordenadores do Hospital e falou sobre o Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncologia (PRONON). Os projetos encaminhados pelo Hospital ao Ministério da Saúde, quando aprovados, devem garantir recursos da ordem 60 milhões de reais, que vão garantir a ampliação da capacidade de atendimento e pesquisas clínicas na área da oncologia.

“Com a aprovação do programa o Hospital irá captar este recurso junto a empresas parcerias, pois os recursos financeiros vêm do imposto de renda que empresas e pessoas pagam ao governo”, afirma o diretor do Hospital do Câncer de Barretos Henrique Prata. Se você, ou sua empresa paga imposto de renda (lucro real) entre em contato com o Hospital através do email epetrov@hcancerbarretos.com.br, onde eles enviarão os detalhes de como poderá auxiliar aquela instituição.

Casa de Apoio

A região em torno do Hospital do Câncer de Barretos conta hoje com dezenas de “Casas de Apoio”. Falar em mais de uma centena não seria exagero. A Casa de Apoio de Patrocínio naquela cidade foi inaugurada em julho de 2007 e desde então se transformou em um ponto estratégico para pacientes e acompanhantes que diariamente se dirigem para Barretos, nas unidades (micro-ônibus e ambulâncias) e em carros particulares.

O local fica a cerca de 50 metros da entrada principal do Hospital do Câncer o que facilita a vida de centenas. A casa disponibiliza 20 leitos, com cama e colchão, cinco quartos, três banheiros, sala, copa, cozinha e varanda. Três televisores foram disponibilizados na varanda, sala e cozinha o que auxilia os pacientes e acompanhantes a se entreter durante o tempo que utiliza a Casa de Apoio.

“Aqui nos vivemos como se fossemos uma verdadeira família e com os mesmos problemas de uma”, diz sorrindo Geralda Rosa de Lima, responsável pelo local desde a sua inauguração. Ela afirma que a casa nunca fecha, já que recebe pessoas diariamente além de manter alguns pacientes que recebem tratamento durante a semana e muitas vezes não são liberados para retornarem e acabam passando o final de semana no local.

“Aqui nós oferecemos um café da manhã outro à tarde e a noite as pessoas também fazem além de café e chá para o lanche da noite”, diz. Ela salienta que a casa e os banheiros são limpos e desinfetados diariamente. “Graças a Deus ninguém nunca contraiu qualquer tipo de infecção aqui, antes ou pós-operatório”, disse. A Casa de Apoio de Patrocínio em Barretos é mantida pela Administração Municipal que, não divulgou o custo total de manutenção do local por mês. O custo do aluguel do imóvel é de R$5.435,00 segundo um servidor da Secretaria de Fazenda, em cujo valor esteja incluído o salário da coordenadora Geralda de Lima.

Para Gilmar da Costa Silva que, encontra-se em tratamento de câncer a seis meses em Barretos, a Casa de Apoio é algo de “extraordinário”. Segundo ele o atendimento e acolhimento de pacientes e acompanhantes, são especiais e necessários. “Imagina você fazendo qualquer tipo de tratamento de saúde em Barretos e tendo que ficar em alguma pousada ou hotel? Seria o caos, pois a maioria dos pacientes que são encaminhados para Barretos são pessoas de poucas condições financeiras ou nenhuma e temos que pensar nos medicamentos, que muitas vezes não são oferecidos pelo governo. Então temos que agradecermos à “Deus” pela existência dessa casa de apoio e que funciona muitíssimo bem”, salienta Gilmar.

(Luiz Cabral enviado especial do Sistema Difusora de Rádio/Maisumonline)