02/04/2011

Pecuária: IMA incentiva certificação contra brucelose e tuberculose

O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) incentiva os agropecuaristas a certificarem as propriedades rurais como áreas livres de brucelose e tuberculose animal.

O trabalho, iniciado no ano passado, já obteve resultados positivos visto que, neste mês, mais duas novas propriedades rurais, sediadas em Juiz de Fora (Zona da Mata) obtiveram o certificado de áreas livres das doenças.

Além disso, outras 60 propriedades localizadas nas regiões Sul, Centro-Oeste, Rio Doce, Alto Paranaíba, Jequitinhonha e Triângulo Mineiro estão em processo de certificação.

As certificações são realizadas através do Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Bovina (PNCEBT) coordenado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

O diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, assegura que o órgão tem realizado constantes trabalhos de incentivo aos produtores rurais para participação no programa, levando em consideração que a adesão voluntária é um importante papel dos pecuaristas no processo de certificação.

“A participação ativa do produtor rural é um instrumento essencial para garantir a eficácia das ações do programa”, salienta o diretor.

Para Rodrigues Neto, “a certificação de propriedades livres dessas doenças visa não só manter a saúde dos rebanhos, mas também agregar valor aos produtos mineiros, além de atestar ao consumidor final a qualidade do alimento oferecido”.

O IMA, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa) é responsável pela execução das ações de defesa sanitária animal. Desde 2001 adota os procedimentos previstos no PNCENT, que tem como um dos objetivos, a certificação de propriedades livres ou monitoradas contra a brucelose e tuberculose bovina.

CERTIFICAÇÃO

De acordo com orientações do Ministério da Agricultura, para certificar uma propriedade como livre da brucelose animal é necessário realizar testes em todo o rebanho, em intervalos de 90 a 120 dias entre o primeiro e segundo teste.

Já o intervalo para a realização do segundo e terceiro teste é de 180 a 240 dias, até que obtenha três resultados negativos em todos os animais testados.

A veterinária coordenadora do PNCEBT do IMA, Luciana Oliveira explica que “depois de obtidos três testes negativos consecutivos no rebanho, a propriedade rural já está apta a receber o certificado de área livre da brucelose.”

O pecuarista que se interessar em certificar sua propriedade deve procurar o escritório do IMA ao qual pertence sua propriedade, acompanhado de médico veterinário habilitado.

IMA