06/02/2014

Pequenas considerações sobre o jogo SEP 1 x 2 MOC

O jogo foi parelho, decidido ‘no detalhe’… Em 2 falhas (do lado da Patrocinense) e uma falha do lado do Montes Claros.

O time grená precisa urgentemente de um goleiro e de uma dupla de zagueiros confiáveis. Levar dois gols de cabeça – o segundo cópia exata do primeiro – não pode!

É preciso abolir a ‘ligação direta’ – o famoso e popular ‘bicão’ pra frente. O time tem alguns bons jogadores, dá pra sair no ‘toque de bola’.

Daniel Barros tem que se definir em campo… Ou é armador ou meia atacante. De uma coisa todos sabem, DB não é marcador!

Baía entrou muito tarde (ou deveria ter começado jogando).

O ‘professor’ Luciano Reis tem que trabalhar chutes a gol. O escrete grená pouco incomodou o goleiro adversário, que ‘não sujou o uniforme’.

A SEP pouco explorou as jogadas de linha de fundo. O jogo ficou preso no meio campo, congestionado por jogadores do Montes Claros.

Torcedores grenás – que fizeram a sua parte – saíram do estádio sem entender como foi que esse time conseguiu golear por 4 x 1 o Nacional de Uberaba…

A diretoria (e algumas pessoas ligadas a ela) tem que ‘esquecer’ a política, esquecer a Prefeitura. A SEP Ltda. é um ‘clube empresa’. Sendo assim – e assim sendo – não pode receber subvenções da administração municipal.

Se servir de alento, o único ponto positivo da equipe em campo foi (mais uma vez) Paulinho Jaú, substituído por questões táticas..! Enquanto esteve em campo, foi o guerreiro grená!