27/07/2010

Sem dinheiro público, empresários, diretoria e até o prefeito colocam a mão no bolso para tocar SEP Ltda.

Tentar o prefeito tenta, mas não consegue ser convincente ao explicar o imbróglio em que se meteu ao repassar indevidamente os 350 mil reais a Sociedade Esportiva Patrocinense Ltda, quando a empresa ainda era dos dois secretários municipais Marcos Remis e Fábio de Paulo e tinha endereço fixo na secretaria municipal de Esportes & Lazer.

Mesmo apostando na ‘boa intenção’ dos envolvidos ao explicar a ação, o fato é que a rápida mudança no contrato social da empresa (proprietário, endereço e telefone), além da devolução aos cofres públicos dos 37 mil reais repassados à empresa, está comprometendo ainda mais os envolvidos, reforçando ainda mais as denúncias de doação irregular de verba pública, uso de dinheiro público para benefício pessoal e político e crime de improbidade administrativa protocoladas pelo vereador José de Arimatéia no final de junho.

Nesta terça feira, o prefeito participou do Jornal da Módulo FM. Ao iniciar sua participação no programa, desejou um sonoro ‘boa noite’ aos ouvintes para depois, aos risos, observar, “Parece que eu ainda estou no dia de ontem”… Normal!

Ao falar sobre o assunto ‘futebol profissional’ ao repórter Jânio Luiz, o prefeito confirmou o repasse dos 37 mil reais à SEP Ltda, que depois – segundo ele – foram devolvidos aos cofres públicos, “Pra não criar mais problemas nem pra mim (prefeito) nem pra própria diretoria, ela (a diretoria) achou por bem devolver esses recursos pra prefeitura.”

Dinheiro ‘particular’ na empreitada?

Segundo o prefeito, a manutenção da Sociedade Esportiva Patrocinense Ltda está sendo feita pela sua atual diretoria, “Um grupo de empresários, capitaneados pelo Marelízio (Jacinto, o presidente virtual da SEP Ltda), é que está bancando esse time até que tenha patrocinadores efetivos para estar mantendo ele (o time) aí de uma maneira mais tranqüila.” – observou o prefeito.

“O time está tendo dificuldades orçamentárias por causa disso (falta de verba oficial). Contava-se com essa ‘pequena ajuda’ do poder público, mas como ela se tornou inviável por conta dessas denúncias o time achou melhor devolver o dinheiro e não pedir mais repasse nenhum até que a situação toda seja esclarecida.”

“Neste período aí quem está mantendo o time são (sic) esse grupo de vários empresários, eu mesmo já doei um pouquinho dos meus recursos para que o time não pare. Eu acredito que essa seja a maneira correta de se lidar com essa situação.” – afirmou o prefeito, que fez questão de registrar que a denúncia do dr. Arimatéia teve “um cunho político/partidário e eleitoral.”

Busca por patrocinadores excluirá Hospital do Câncer

O prefeito contou também que já foi diversas vezes a São Paulo buscar patrocínio para a SEP Ltda, “Nós estamos atrás de patrocinadores, eu já fui em São Paulo umas duas vezes com o Marelízio procurar patrocinadores e nós vamos conseguir patrocinadores para que o time faça um papel bonito no campeonato.”

Se isso realmente acontecer, tudo leva a crer que a proposta de carregar no peito – e gratuitamente – a logomarca do Hospital do Câncer ‘dr. José Figueiredo’ – assim como o Barcelona faz com a Unicef -, está sendo momentaneamente descartada.