02/07/2009

Simpósio de Educação – edição 2009 consagrou-se como o melhor de todos já realizados

Com novo formato, o Simpósio de Educação – edição 2009 do Unicerp realizado nos dias 25, 26 e 29 de junho agradou a maioria dos cerca de 600 participantes da cidade e de vários municípios da região.

Organizado pelos cursos de Educação Física, Letras, Matemática e Pedagogia, o Simpósio foi um balneário de enriquecimento acadêmico-cultural através de cursos, minicursos e paletras para educadores e futuros profissionais presentes.

Rubem Alves
A tão aguardada palestra realizada no encerramento do Simpósio com o educador, escritor, psicanalista e teólogo Rubem Alves reuniu um expressivo público que emocionado aplaudiu de pé as tocantes estórias contadas pelo mestre.

Para o presidente da Comissão Organizadora do Simpósio, José Ferreira, o palestrante Rubem Alves é um desbravador de caminhos na tarefa de educar e comenta sobre esta arte. “A Educação é um processo contínuo. O objeto da educação não está só no sentido literal do verbo ‘educar’, mas, sim, no modo como o fazemos. É uma tarefa que supõe, em princípio, amor, desprendimento, doçura, firmeza, paciência e decisão.Com certeza, diante do contexto em que vivemos, é uma tarefa árdua para nós professores/educadores. Mas estamos sempre a acreditar no surgimento, através de nossos alunos, de novas formas de se poder viver bem”, ressaltou.
Ele acrescentou que na Educação, o essencial não é o assunto ou o conteúdo, mas a perspectiva, o modo e a relação. “Acreditamos que ensinar educando significa um indicar de possibilidades, um mostrar de mundos, um incentivar e ajudar, um responsabilizar e cuidar”, frisou.

Recado
Alves, como um legítimo mineiro, expressou através de “causos” coisas consideradas essenciais para ele, como, por exemplo, a crença na efemeridade da vida e a fundamental e constante busca pela alegria. Para ele o segredo do bom educador está justamente no despertar, no encantar e no seduzir.

Apesar de não cumprir o protocolo de entrevistas, autógrafos e fotos devido a uma recente cirurgia, ele passou a mensagem a seus fãs e deu exemplo de superação.

Aos 75 anos (que ele acredita não ter), o contador de estórias como se auto-define, muito questionou o papel do educador e o atual modelo de ensino na formação das pessoas. Ele disse que temos que contabilizar os anos que nos faltam para degustar a vida e não os que já vivemos.

“Esta palestra foi um desafio para mim, pois estou em processo pós-cirúrgico e verdadeiramente me rejuvenesceu. Lembrem-se de uma foto. Ela é o retrato da morte, pois após o clique, o registro já é passado. Vamos procurar viver intensamente com alegria, poesia e encantamento”, finalizou.