15/04/2014

VIPA | Preço da passagem do coletivo sobe para R$ 2,40

A tarifa do transporte coletivo urbano de Patrocínio foi majorada judicialmente.

O preço, que era de R$ 2,25 passou para R$ 2,40 e já está sendo cobrado nas catracas da empresa concessionária do serviço, a Viação Cidade Paraíso.

Povo sofre

É bom lembrar que, nos últimos dois anos, a tarifa de transporte coletivo urbano em Patrocínio já sofreu três majorações, todas conseguidas judicialmente pela empresa.

E o grande prejudicado nesta história é – claro! – o usuário do transporte coletivo, o pai e a mãe de família, o trabalhador patrocinense, gente que acorda cedo e dorme tarde e que reside basicamente nos bairros mais carentes da cidade.

Não é preciso ser um expert matemática financeira para chegar a conclusão que o cidadão mais humilde deixa na catraca da VIPA, mensalmente, quase a metade do seu salário.

“O preço cobrado é ‘salgado’ para a realidade patrocinense. O serviço oferecido continua de péssima qualidade. Os ônibus estão sempre lotados, não existe uma integração das linhas, os horários não são respeitados. Em vários locais da cidade os usuários não dispõem de abrigo nos pontos coletivos. A solução é improvisar bancos com restos de construção civil para aguardar a passagem do ônibus. Quando está chovendo é um ‘Deus nos acuda’, um absurdo.” – sintetizou Jorge Augusto Santos, morador da Matinha e usuário do transporte urbano.

Entenda o caso

No Natal, a VIPA – que no contrato social é de propriedade do irmão do deputado estadual Deiró Marra, Hélio Camilo Marra -, protocolou na prefeitura uma planilha de custos que sugeria um aumento no custo da passagem para R$ 2,63.

O aumento passaria a vigorar ainda no final deste ano, entre entre o Natal e o Ano Novo. O documento foi analisado pelos técnicos do GU23 que não aprovaram o aumento. A empresa mais uma vez acionou a justiça e obteve a liminar para aumentar a passagem.

Na onda das mobilizações que aconteceram por todo o país, a Câmara de Patrocínio aprovou em setembro do ano passado um Decreto autorizando o prefeito a reduzir a passagem para R$ 2,15. Mas, porém, todavia, contudo e entretanto, a redução foi questionada na justiça pela VIPA, que manteve o valor cobrado.